Make your own free website on Tripod.com

Fidel Castro

 

Biografia de Fidel

 

            Filho de um proprietário rural, nasceu numa granja no município de Mayari, província do Oriente. Estudou em escolas católicas em Santiago de Cuba e Havana, mas foi no colégio de Belém que teve a formação jesuíta. Fidel se formou em Direito, em 1950, pela Universidade de Havana e defende gratuitamente camponeses, operários e prisioneiros políticos.

Em 1948, Fidel participou de um motim popular para derrubar o ditador Rafael Leônidas Trujillo, da República Dominicana, e foi apelidado de “Bogotazo”. No mesmo ano, Fidel se casou com Mirta Diaz-Balart, que pertencia a uma das mais ricas famílias cubanas. O divórcio aconteceu em 1954.

            Fidel Castro chegou a ser filiado do Partido Social-democrático Ortodoxo, em 1947 e disputou uma vaga para deputado nas eleições de 1952.
            Destaca-se na política em manifestações contra o ditador Fulgêncio Batista. Depois de uma tentativa de golpe, em 1953, Fidel foi condenado a 15 anos de prisão. Dois anos depois, em 1955, ele recebeu anistia e foi solto. No exílio, no México, Fidel fundou o "Movimento 26 de Julho", a bordo do iate Granma, preparando sua volta a Cuba. Foi lá que conheceu o argentino Ernesto Che Guevara, que o ajudaria a derrubar o governo ditatorial de Fulgêncio Batista.

            Volta a Cuba em dezembro desse ano, 1955,  e após três anos de luta, toma o poder em janeiro de 1959. No início, sem clara definição ideológica, seu governo recebe ajuda de setores políticos norte-americanos. À medida que toma rumo socialista, se afasta dos Estados Unidos, que decretam bloqueio comercial ao país em 1960 e rompem relações diplomáticas em 1961. Cuba passa a depender economicamente da União Soviética e torna-se um país comunista. Com o colapso soviético, Fidel começa a reformar a economia cubana, devastada por uma longa crise, e adota procedimentos capitalistas, como a formação de joint ventures com empresas estrangeiras. Mesmo assim, declara à imprensa em 1994 que não pretende transformar Cuba em uma democracia de estilo ocidental.

 

 

Voltar